Engenhar ideias, produzir soluções!

Category : Sem categoria

Melhore seus resultados com a Gestão da Qualidade

Os princípios de gestão da qualidade são conceitos básicos que visam nortear as organizações, permitindo que se estabeleçam no mercado com eficiência em gestão. Oferecer produtos e/ou serviços com máxima qualidade é essencial para que qualquer empresa fortifique-se, principalmente no atual mercado: global, inovador e de extrema concorrência.

De acordo com a Norma ISO 9001:2015, são sete os princípios de gestão da qualidade: Foco no Cliente, Liderança, Engajamento das Pessoas, Abordagem por Processos, Melhoria Contínua, Abordagem Factual para Tomada de Decisões e Gestão de Relacionamentos. Entender e aplicar cada um destes princípios permitirá, inquestionavelmente, um melhor desempenho da organização.

PRINCÍPIO 1: FOCO NO CLIENTE

Toda organização é sustentada por seus clientes, logo é imprescindível que suas necessidades e expectativas sejam atendidas. Os gestores devem pesquisar e compreender estas necessidades, medir constantemente a satisfação dos clientes e, sempre que possível, ser capaz de prever suas futuras necessidades e desejos. Os benefícios de todas essas ações serão a maior fidelização do cliente, a maior eficácia na utilização dos recursos e, consequentemente, o aumento das receitas da organização.

PRINCÍPIO 2: LIDERANÇA

As equipes devem ser guiadas e compostas por líderes e não chefes. Líderes são proativos, motivadores e inspiradores, estabelecem propósito e guiam todos numa única direção. A organização deve proporcionar um ambiente de trabalho que motive os colaboradores, proporcionando liberdade para agir com responsabilidade, definindo missão e valores claros que devem ser inerentes a todos, traçando metas desafiadoras, encorajando e reconhecendo a contribuição das pessoas. O benefício imediato de uma equipe alinhada é a melhora na comunicação entre todos os níveis da organização.

PRINCÍPIO 3: ENGAJAMENTO DAS PESSOAS

As pessoas são a essência de uma organização e, mais que isso, as habilidades das pessoas realmente engajadas com a organização vão permitir o desenvolvimento e a inovação do negócio.

PRINCÍPIO 4: ABORDAGEM POR PROCESSOS

Todo e qualquer resultado desejável deve ser encarado como um processo, no qual atividades e recursos serão gerenciados minuciosamente. Além disso, deve-se notar que todos os processos de uma organização interagem entre si e cabe ao gestor

identificar e compreender esta ligação, visando eficiência e eficácia da organização na realização de seus objetivos. Para tal deve-se, definir as atividades para obter determinado resultado, elencar atividades-chave, delegar as responsabilidades de forma clara, focalizar materiais, métodos e recursos que contribuirão para a realização dessas atividades, avaliar riscos, consequências e impactos dessas atividades sobre clientes e fornecedores, medir e analisar continuamente os processos. Os benefícios desta abordagem são: a utilização eficaz de recursos, redução de custos e tempo de ciclo, resultados mais consistentes e previsíveis.

PRINCÍPIO 5: MELHORIA CONTÍNUA

A adaptação e melhoria contínua deve ser objetivo fixo de todo gestor. Assim, processos, produtos, serviços e o desempenho global da organização devem ser constantemente analisados e reestruturados. Empregar uma abordagem clara firmando a melhoria contínua como objetivo da organização, realizar treinamentos a respeito de métodos e ferramentas de melhoria contínua e estabelecer metas para orientar e controlar as melhorias realizadas são ações para atingir com sucesso este princípio.

PRINCÍPIO 6: ABORDAGEM FACTUAL PARA TOMADA DE DECISÕES

Decisões eficazes são baseadas em fatos, na análise de dados e informações. Portanto, é preciso garantir que todos os dados sejam precisos, confiáveis e acessíveis a quem precisa. Além disso, a análise deve ser minuciosa e a tomada de decisão equilibrada, utilizando de experiência e intuição.

PRINCÍPIO 7: GESTÃO DE RELACIONAMENTOS

Uma organização e seus fornecedores são interdependentes, e uma relação mutuamente benéfica reforça a capacidade de ambos para criar valor. Logo, deve haver uma comunicação clara e aberta entre as partes interessadas, identificar e selecionar os fornecedores buscando parceiros, em que haverá partilha de recursos e conhecimentos. Dessa forma, custos e recursos serão otimizados, necessidades de mercado e expectativas dos clientes serão atendidas mais prontamente e, sem dúvidas, haverá maior capacidade de criar valor para ambas as partes.

Texto em 26/06/2017
Escrito por Priscilla Santos
Gerente de Qualidade

Projeto fechado com a Imobiliária Ideal

A Imobiliária Ideal, empresa que atua no ramo de venda e aluguéis de imóveis na cidade de Viçosa-MG, com o objetivo de melhorar a ordem e organização do seu ambiente de trabalho, fechou recentemente um projeto de 5s com a Soluções Consultoria.

As atividades terão início no dia 01 de setembro e deverão ocorrer até o dia 11 de outubro desse ano.

5S é um método para criar um local de trabalho limpo e ordenado que ajuda a identificar desperdícios e erros. Ele se resume na seguinte frase: “um lugar para tudo, e tudo em seu lugar”. O 5s é um sistema de Manufatura Enxuta, e portanto, esse método ajuda a eliminar desperdíciosagilizar a produção e otimizar a eficiência. Quando uma organização incorpora o 5S, é feito um compromisso colocando segurança, organização e eficácia como pontos prioritários. O resultado final é o cuidado dos ambientes, equipamentos, materiais, métodos, medidas, e, principalmente, pessoas.

Saiba mais sobre como funciona o projeto 5s e se tiver interesse em alcançar seus benefícios, entre em contato com a Soluções Consultoria!

Qual o arranjo físico da minha empresa?

O estudo do arranjo físico ou layout de uma empresa se preocupa com a organização dos recursos dentro do espaço de trabalho. Reis (1978) define a análise de layout como a avaliação da “disposição física do equipamento, pessoas, materiais, área de trabalho e de estocagem e, de um modo geral, a disposição racional dos diversos serviços de uma fábrica”.

O arranjo físico de uma fábrica pode ser classificado em quatro tipos comuns: layout fixo, layout funcional, layout celular e layout linear. A escolha do tipo do layout depende de basicamente dois critérios: volume de produção e variedade dos produtos.

 

 

Layout posicional ou fixo

Quando o produto permanece imóvel em um local e os materiais, pessoas e máquinas tem o seu fluxo direcionado ao produto. Esse é o caso de produtos muito pesados (montagem de aviões), de movimentação inconveniente (criação de escultura) ou realmente imóveis devido a sua natureza (construção de prédios).

 

 

 

Layout funcional ou por processos

Nesse tipo de arranjo, os materiais e as pessoas se movem de um centro para o outro de acordo com a necessidade. O espaço é organizado por setores ou departamentos segundo a função executada, como: setor de montagem, setor de usinagem, etc. Dessa maneira, o produto passa apenas nos setores em que há um processo a ser realizado. Diferentes produtos podem possuir diferentes fluxos.

 

 

Layout linear ou por produto

O arranjo físico é voltado para o fluxo do produto, que é unidirecional. A produção é iniciada em um ponto, segue uma linha de produção e encerra em um posto de trabalho com o produto acabado. As máquinas e os operadores ficam fixos em um local, normalmente realizando operações repetitivas.

 

 

Layout celular

Esse tipo de arranjo trabalha com células de trabalho, onde cada célula é responsável pela produção de um grupo de produtos. Mistura elementos do arranjo físico funcional e linear.

 

 

 

Em uma Análise de Layout, será estudado o tipo de layout ideal para sua fábrica, bem como o posicionamento e fluxo ótimo de materiais e pessoas. A boa organização do arranjo físico pode trazer múltiplos benefícios para uma empresa (LEDIS, 2012), como:

  • Minimizar o custo com manuseio de material;
  • Reduzir os transportes e movimentos de materiais;
  • Facilitar o fluxo de materiais e pessoas;
  • Promover uma efetiva utilização do espaço;
  • Promover uma máxima visibilidade;
  • Estimular a efetiva utilização da mão de obra.

Texto em 15/05/2017
Escrito por Samuel Castro
Diretor de Qualidade